News

Povos indígenas no Brasil marcham para exigir reconhecimento de terras

Milhares de povos indígenas marcharam na capital do Brasil, apelando ao governo para que reconheça oficialmente as terras onde viveram durante séculos e que proteja os territórios de atividades criminosas, como a mineração ilegal.

Com cartazes com mensagens como “O futuro é indígena”, eles caminharam nesta quinta-feira em direção à Praça dos Três Poderes, onde ficam o Congresso, o Supremo Tribunal Federal e o palácio presidencial do Planalto, em Brasília.

Um grupo de lideranças indígenas entrou no palácio para conversar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, enquanto outros gritavam do lado de fora do prédio: “Nossos direitos não são negociáveis”. Na semana passada, ele recuou na criação de quatro territórios indígenas, citando oposição de governadores estaduais.

Além dos apelos por mais reconhecimento de terras, algumas tribos protestaram contra uma proposta de projeto ferroviário de 950 km (590 milhas) para transportar soja do estado de Mato Grosso, na parte central do país, para portos ao longo do rio Tapajós, um grande afluente do Amazonas. .

Os líderes indígenas das tribos Kayapó, Panara e Munduruku disseram que não foram consultados adequadamente e temiam que a nova infra-estrutura levasse ao aumento do desmatamento.

O comício de quinta-feira marcou o ápice do Acampamento Indígena Terra Livre anual, que já está em sua 20ª edição. Diferentemente dos dois anos anteriores, o presidente não foi convidado a visitar o acampamento, montado na principal esplanada de Brasília.

“Há instabilidade política, desrespeito e desconfiança”, disse Marivelton Bare, chefe da Federação de Organizações Indígenas do Rio Negro, à agência de notícias Associated Press durante a marcha.

“Esperávamos muito do governo, mas ele está fazendo muito pouco. Sabíamos que o Congresso seria hostil, mas não tanto como tem sido. E no Congresso, o governo está usando as questões indígenas e ambientais como moeda de troca”, acrescentou Bare, cuja organização representa 24 tribos indígenas da parte noroeste da Amazônia brasileira.

Ex-presidente entre 2003 e 2010, Lula iniciou o terceiro mandato em janeiro passado. Desde então, seu governo criou 10 territórios indígenas, o que os líderes dizem não ser suficiente. Segundo o Instituto Socioambiental, sem fins lucrativos, pelo menos 251 territórios têm pedidos pendentes de reconhecimento perante o governo federal.

Os territórios indígenas compreendem cerca de 13% do território do Brasil. A maioria dessas áreas está na floresta amazônica.

Mesmo em ritmo lento, as demarcações de Lula representam um forte contraste com as de seu antecessor, Jair Bolsonaro, que cumpriu sua promessa de não criar um único centímetro de terra indígena adicional. No entanto, as exigências indígenas enfrentam uma oposição crescente do poderoso sector do agronegócio, que conta com o apoio de centenas de membros do Congresso e de vários governadores em todo o país.

Source link

Related Articles

Back to top button