News

“Abraços de urso não funcionaram”: Biden se afasta do abraço de Netanyahu por causa de Rafah

Washington:

Dias depois do ataque de 7 de outubro, Joe Biden subiu à pista de Tel Aviv e ofereceu um caloroso abraço de urso a Benjamin Netanyahu, um sinal tanto de apoio sólido a Israel como da longa, se não descomplicada, relação do presidente dos EUA com o primeiro-ministro.

Sete meses após o início do conflito devastador, a abordagem suave acabou. Biden, que uma vez escreveu a Netanyahu “Eu te amo”, aumentou pela primeira vez a maior influência que os Estados Unidos têm sobre Israel – a ajuda militar, que totaliza 3 mil milhões de dólares por ano.

Biden – cujo apoio a Israel face às baixas civis irritou a esquerda do seu Partido Democrata meses antes das eleições – ficou furioso porque Netanyahu rejeitou os apelos para ficar fora de Rafah, a cidade do sul de Gaza onde as Nações Unidas dizem que alguns 1,4 milhões de palestinos deslocados estão abrigados.

Os funcionários do governo Biden inicialmente consideraram as promessas de Netanyahu de atacar Rafah como retóricas. Mas nas conversações com o primeiro-ministro, incluindo uma visita na semana passada do secretário de Estado Antony Blinken, as autoridades norte-americanas ficaram convencidas de que Netanyahu está a falar a sério.

Biden, numa entrevista à CNN na quarta-feira, prometeu parar de fornecer bombas e projéteis de artilharia se Israel prosseguir em Rafah, depois de a sua administração ter confirmado que já tinha interrompido um carregamento de milhares de bombas.

Biden, que falou pela última vez com Netanyahu na segunda-feira, defendeu Rafah “repetidamente e sem rodeios”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, acrescentando que a invasão era agora “uma escolha que Israel terá de fazer”.

“Esperamos que não”, disse Kirby.

Netanyahu – que prometeu eliminar o Hamas, que realizou o ataque mais mortal de todos os tempos contra Israel em 7 de outubro – ignorou publicamente as advertências de Biden.

“Se tivermos que ficar sozinhos, ficaremos sozinhos”, disse ele.

O embaixador de Israel em Washington, Michael Herzog, disse que embora tivesse “total admiração” por Biden, a ameaça de reter armas dos EUA era “inaceitável” e “envia a mensagem errada” aos adversários de Israel.

O rival republicano de Biden nas eleições de novembro, o ex-presidente Donald Trump, acusou Biden de se aliar ao Hamas.

Mas as relações de Trump também foram tensas com Netanyahu, que rapidamente reconheceu a vitória de Biden nas eleições de 2020, que Trump se recusou a conceder.

Outra briga para Bibi

As lutas com Washington são terreno familiar para o agressivo Netanyahu.

O primeiro-ministro mais antigo de Israel, que conhece intimamente os Estados Unidos devido aos anos que viveu como principal aliado do seu país, entrou em confronto acirrado com os dois últimos presidentes democratas, Bill Clinton e Barack Obama.

Netanyahu fez campanha abertamente ao lado dos rivais republicanos de Obama contra a sua diplomacia nuclear com o Irão, deixando um ressentimento duradouro entre muitos democratas.

Mas Biden, como vice-presidente de Obama, era conhecido internamente por defender a proximidade dos israelitas e por expressar preocupações em privado.

A abordagem de Biden vem tanto da sua história com Israel como da importância que atribuiu às relações pessoais.

Biden sempre falou sobre viajar como um jovem senador para Israel logo após a Guerra do Yom Kippur em 1973 e ser informado pela primeira-ministra Golda Meir, fumante inveterada.

Num evento de 2010, Biden disse que o seu pai, horrorizado com o Holocausto, disse que o seu amor por Israel “começou nas minhas entranhas e foi para o meu coração” e que o seu pai apoiou abertamente a criação do Estado de Israel.

Nas mesmas observações, Biden descreveu Netanyahu como um “amigo próximo e pessoal” durante décadas, tendo Biden conhecido o futuro líder israelita, conhecido pelo apelido de Bibi, quando era um jovem diplomata em Washington.

Num discurso posterior, Biden descreveu uma fotografia que certa vez deu de presente a Netanyahu, dizendo que nela havia uma inscrição: “Bibi, não concordo com nada do que você diz, mas eu te amo”.

‘O abraço de urso não funcionou’

Allison McManus, diretora-gerente de segurança nacional e política internacional do Centro para o Progresso Americano, de tendência esquerdista, disse que qualquer que seja a história dos dois líderes, seus interesses estavam “completamente em desacordo”.

“Esta não é necessariamente uma amizade pessoal que de alguma forma irá eclipsar os fortes interesses políticos que cada um destes líderes tem”, disse ela.

“Este é um momento em que acho que Biden percebe que o abraço de urso não funcionou. As palavras fortes e severas não funcionaram”, disse ela. “Reter as armas é a maior ferramenta de influência que os EUA possuem.”

Mas ela observou que Biden fez uma ameaça em vez de simplesmente parar as armas.

Ao fazer isso, Biden está “deixando a porta para Netanyahu se afastar de Rafah”, disse ela.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Back to top button