News

Baleias assassinas atacam e afundam outro iate no Estreito de Gibraltar

Um iate à vela afundou no Estreito de Gibraltar no domingo depois de um número desconhecido de orcas bateu no navio com duas pessoas a bordo e causou um vazamento de água, disseram autoridades. Ambos os tripulantes foram resgatados por um petroleiro que passava, disse o serviço de resgate marítimo da Espanha, marcando o mais recente ataque de baleia assassina no que se tornou um padrão nos últimos anos.

O incidente aconteceu por volta das 9h, horário local, no estreito entre Espanha e Marrocos, que se tornou um local notório de interações humanas com grupos de baleias assassinas que, por razões ainda não totalmente compreendidas, colidem com barcos e às vezes até os afunda. Neste caso, os membros da tripulação a bordo do iate SV Alboran Cognac fizeram um chamado de emergência para evacuação depois de encontrarem orcas a cerca de 22 quilômetros da costa do Cabo Spartel.

Os tripulantes relataram ter sentido golpes no casco e no leme da embarcação, que foi danificado pelas baleias, informou o serviço de resgate. O centro de coordenação da agência em Tarifa, no lado espanhol do Estreito de Gibraltar, ajudou a organizar a sua evacuação através do petroleiro MT Lascaux. O navio-tanque conseguiu recolher os tripulantes do iate que estava afundando em uma hora, e eles desembarcaram em Gibraltar antes das 10h30. Abandonaram o SV Alboran Cognac, que desapareceu completamente no oceano.

Qualquer pessoa que navegue pelas águas do Golfo de Cádiz, no sul de Espanha, e do Estreito de Gibraltar, seja num barco motorizado de maior porte ou num barco à vela pessoal, é aconselhado a evitar certas áreas que o serviço de resgate marítimo marca como locais potencialmente perigosos para interações de orcas. As maiores ameaças existem entre maio e agosto, quando as autoridades dizem que grupos de baleias assassinas são mais comumente vistos nessas partes do Atlântico.

orca-interactions-maritime-resgate.jpg
Este mapa mostra a área ao redor do Golfo de Cádiz e do Estreito de Gibraltar, onde é mais provável que ocorram interações com orcas, com base em dados de anos anteriores.

Ministério Espanhol dos Transportes e Mobilidade Sustentável


Mas incidentes registados anteriormente sugerem que esses perigos podem estar presentes a qualquer momento. Em Outubro passado, uma empresa polaca de turismo de barco informou que um grupo de orcas conseguiu afundar um dos seus iates depois de repetidas batendo na barbatana de direção por 45 minutos, causando vazamento. No passado mês de Junho, duas equipas de vela competiram num torneio internacional corrida ao redor do mundo relataram cenários assustadores em que múltiplas orcas colidiram ou empurraram seus barcos ou enquanto navegavam para oeste de Gibraltar.

Ninguém a bordo de nenhum dos navios ficou ferido nesses encontros, mas o aumento documentado no comportamento de confronto fez com que pesquisadores e marinheiros tentassem determinar por que os orcas tentou afundar ou virar tantos barcos ao largo das costas de Espanha e Portugal.

Alguns marinheiros recorreram mesmo a explodindo música thrash metal em uma tentativa de deter os predadores de ponta.

Os relatos de orcas interagindo com humanos mais do que triplicaram nos últimos dois anos, de acordo com o grupo de pesquisa GTOA, que documentou centenas de incidentes desse tipo na região desde 2020. Mas alguns dos dados mais recentes apontam para possíveis mudanças no etiqueta das orcas, com o grupo relatando apenas 26 interações nas zonas do Estreito de Gibraltar e do Golfo da Biscaia entre Janeiro e Maio deste ano. Esse número é 65% inferior ao número de interações registradas na região nos mesmos meses do ano passado e 40% inferior ao número médio de interações registradas nos mesmos meses entre 2021 e 2023, segundo o GTOA.

Source link

Related Articles

Back to top button