Life Style

O sionismo pode ser espiritual?

(RNS) – Tudo começou quando eu estava trabalhando nas palavras cruzadas da The New York Times Magazine.

59 abaixo: “Último livro do Antigo Testamento”.

Segunda Crônicas é o último livro da Bíblia Hebraica (também conhecido como Tanakh).

Mas, não, percebi, isso não caberia. Eu já tinha a segunda letra, que era A.

“Malaquias” cabe.

Malaquias é, de facto, o último livro do “Antigo Testamento” – a versão cristã.

A versão cristã do Antigo Testamento/Bíblia Hebraica é diferente. Em alguns casos, os compiladores colocaram os livros em ordem histórica. Por exemplo, eles colocaram o Livro de Rute depois do Livro dos Juízes, porque Rute começa com uma referência aos “dias em que os juízes julgavam”. Então: Joshua, Judges, Ruth (que se tornou o título de um dos melhores álbuns de Lyle Lovett).

Em alguns casos, os compiladores organizaram os livros por seus autores. Segundo a tradição, o Profeta Jeremias escreveu o Livro das Lamentações. Assim, o Antigo Testamento coloca Lamentações depois de Jeremias.

Mas designar Malaquias como o último livro do Antigo Testamento não foi apenas uma decisão editorial.

Foi um julgamento teológico.

Malaquias foi o último profeta. Aqui estão as palavras finais desse livro:

Eis que vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o terrível e terrível dia do Senhor. Ele reconciliará pais com filhos e filhos com seus pais, para que, quando eu vier, não cause destruição total a toda a terra. Eis que vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o terrível e terrível dia do Senhor. (Malaquias 3:23-24)

Por que o Antigo Testamento cristão termina com essas palavras?

Por causa de Elias. Esse profeta que nunca morreu verdadeiramente seria o precursor de João Batista, que proclamaria a vinda de Jesus de Nazaré.

Assim, a versão cristã do Antigo Testamento aponta ao leitor para a reconciliação final entre pais e filhos, o que se torna o prelúdio da redenção messiânica.

Mas a Bíblia Hebraica – o Tanakh – ordena os livros de forma diferente.

A Bíblia Hebraica termina com Segundo Crônicas. Os babilônios destruíram a Judéia e o Templo em Jerusalém. Então o livro termina com a restauração definitiva da soberania judaica na terra de Israel:

E no primeiro ano do rei Ciro da Pérsia, quando se cumpriu a palavra do Senhor proferida por Jeremias, o Senhor despertou o espírito do rei Ciro da Pérsia para emitir uma proclamação em todo o seu reino, de boca em boca e por escrito, como segue : “Assim disse o rei Ciro da Pérsia: O Senhor Deus do Céu me deu todos os reinos da terra e me encarregou de construir para Ele uma casa em Jerusalém, que fica em Judá. Qualquer um de vocês de todo o seu povo, o Senhor seu Deus seja com ele e deixe-o subir”. (Segunda Crônicas 36: 22-23)

É assim que a história bíblica termina – com o regresso a Sião. A última palavra da Bíblia Hebraica é va'yaal – “deixe-o subir” – “deixe-o fazer aliá”.

O presidente Harry Truman foi fundamental na criação e reconhecimento do estado de Israel. Ele conhecia a Bíblia muito bem. Após a criação de Israel, Truman proclamou: “Eu sou Ciro!”

O Antigo Testamento cristão termina apontando para a vinda final de Jesus.

O Tanakh judaico termina apontando para o retorno final dos judeus à terra de Israel.

Vamos mais fundo.

A Bíblia Hebraica/Antigo Testamento começa com Adão e Eva no Jardim do Éden, que está miticamente localizado em algum lugar próximo à intersecção dos rios Tigre e Eufrates – ou seja, na antiga Babilônia. Deus expulsa Adão e Eva do Jardim do Éden – o que significa que o primeiro exílio humano começa na Babilônia.

A Bíblia Hebraica/Antigo Testamento termina, também, na Babilônia. Mas, desta vez, não é o exílio na Babilónia.

Desta vez, é o regresso a casa do exílio na Babilónia.

É por isso que sempre digo que o beisebol é um esporte judaico.

Você começa na base. Você sai para o campo interno. Você contorna as bases. O objetivo do jogo é voltar para casa.

O mesmo acontece com o ano judaico. Você começa na base – Rosh Hashaná. Você sai para o campo interno – o calendário judaico. O objetivo do “jogo” é voltar para casa novamente – no Rosh Hashaná seguinte.

O mesmo acontece com a semana judaica. Você começa na base – Shabat. Você sai para o campo interno – a semana. O objetivo do “jogo” é voltar para casa novamente – no Shabat.

O mesmo acontece com a alma judaica. Você começa na base – seu eu autêntico. Você sai para o campo interno – um exílio desse eu. O objetivo do “jogo” é voltar para casa novamente – através da teshuvá (retorno) a si mesmo.

E assim é com o povo judeu. Começamos na base – a terra de Israel. Saímos para o campo interno – exílio, galut. O objetivo do “jogo judaico” é voltar para casa novamente – para a terra de Israel – embora certamente tenha havido vozes judaicas ao longo da história que viram galut como oportunidade e até mesmo bênção. (O novo volume, “Exílio e os Judeus: Literatura, História e Identidade”, oferece uma janela maravilhosa sobre essa corrente de pensamento judaico.)

Para mim, o sionismo e Israel não são meramente políticos e nem apenas religiosos. É espiritual também.

É a espiritualidade da ressurreição. Um povo dado como morto ressuscitou, como uma fênix, das cinzas da história. Uma língua falada dada como morta ergueu-se, como uma fênix, das latas de lixo do irrelevante. Para mim, esse é o verdadeiro milagre de Israel e do sionismo – que uma nação start-up possa iniciar-se sozinha.

E é a espiritualidade do retorno. Um povo voltou para sua terra. Um povo voltou ao seu eu genuíno. Um povo voltou ao poder.

Todos esses elementos de retorno são bênçãos irrestritas? Não. Cada um vem adornado de desafios, contradições e nuances.

E, no entanto, neste Dia da Independência de Israel – o Dia da Independência mais difícil e manchado de lágrimas da sua história – vivo imerso num sonho sonhador: “Um cântico de subidas: Quando o Senhor nos restaurou em Sião, éramos como sonhadores. .”

Quando meu avião pousa no Aeroporto Ben Gurion, as primeiras palavras que pronuncio para mim mesmo são uma meditação silenciosa – as palavras finais de Segundo Crônicas: “Assim disse o rei Ciro da Pérsia: O Senhor Deus do Céu me deu todos os reinos da terra , e me encarregou de construir para Ele uma casa em Jerusalém, que fica em Judá. Qualquer um de vocês de todo o seu povo, o Senhor seu Deus seja com ele e deixe-o subir”. (Segunda Crônicas 36:17-23).

É assim que a Bíblia Hebraica termina.

Termina com o retorno e termina com sonhos que não podem e não serão transformados em pesadelos e termina com esperança.

Source link

Related Articles

Back to top button