News

UE aprova reforma abrangente da migração antes das eleições

A aprovação do Novo Pacto sobre Migração e Asilo ocorre num momento em que a UE se prepara para realizar eleições nas quais a migração poderá ser fundamental.

A União Europeia deu luz verde final a uma revisão histórica das suas políticas de migração e asilo que verá fronteiras reforçadas e responsabilidade partilhada entre os Estados-membros, à medida que a campanha para as eleições europeias do próximo mês esquenta.

O Novo Pacto sobre Migração e Asilo foi oficialmente aprovado pelos ministros da economia do bloco de 27 países, encerrando mais de oito anos de trabalho para reescrever o livro de regras para lidar com pessoas que entram na Europa sem autorização.

A maioria dos países membros apoiou os 10 atos legislativos da reforma, garantindo a sua aprovação apesar da oposição da Hungria e da Polónia, que há muito rejeitam a ideia de que todos os países europeus deveriam receber uma parte das chegadas.

As novas regras, que entrarão em vigor em 2026, estabelecem as diretrizes para a triagem de pessoas para determinar se elas se qualificam para algum tipo de proteção, como asilo ou deportação, caso não sejam autorizadas a permanecer.

Os principais partidos políticos acreditam que o pacto fornece respostas a questões que têm dividido as nações desde que mais de um milhão de refugiados e migrantes entraram na Europa em 2015, a maioria fugindo das guerras na Síria e no Iraque.

Eles também esperam que as reformas deixem a extrema direita sem oxigénio para ganhar votos nas próximas eleições para o Parlamento Europeu, marcadas para 6 a 9 de Junho.

Um relatório da Agência da UE para o Asilo (EUAA) publicado em fevereiro mostrou que mais de 1,14 milhões de pessoas apresentaram pedidos de proteção internacional no bloco em 2023.

Os críticos dizem que o pacto permitirá que as nações detenham refugiados e migrantes nas fronteiras e tirem impressões digitais de crianças. As novas medidas, dizem eles, visam manter as pessoas afastadas e violam o seu direito de requerer asilo e resultarão em acordos políticos mais duvidosos.

A Amnistia Internacional alertou na terça-feira que as reformas irão, durante anos, colocar as pessoas em risco acrescido de violações dos direitos humanos.

Afirmou que cada etapa das negociações sobre as reformas do asilo “piorou o resultado final” e que o acordo irá “piorar as leis existentes”, ao mesmo tempo que não consegue “abordar lacunas prementes nos sistemas de asilo da UE”.

Os partidos populistas e anti-imigração de extrema-direita da Europa viram o seu apoio crescer. As sondagens prevêem resultados fortes para os dois grupos mais direitistas no Parlamento Europeu, o grupo Identidade e Democracia (ID) e os eurocépticos Conservadores e Reformistas Europeus (ECR).

De acordo com o agregador Europe Elects, os seus votos combinados poderiam corresponder ao tamanho do Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, o maior grupo do parlamento.

Em comparação com a última volta eleitoral em 2019, o eleitorado do ECR deverá crescer 24 por cento e o do ID 11 por cento. Entretanto, o PPE manteve-se estável, com um aumento de apenas 1% no número de eleitores.



Source link

Related Articles

Back to top button