News

Rafah, armas dos EUA, UNRWA: Como Biden defende o apoio a Israel em meio à guerra em Gaza

Washington DC – “Está errado”, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na semana passada, sobre a ofensiva israelense em curso contra a cidade de Rafah, no sul de Gaza, prometendo parar de fornecer armas ofensivas se o ataque prosseguir.

Uma semana depois, porém, as forças israelitas tomaram a passagem fronteiriça de Rafah e invadiram a cidade, onde mais de 1,5 milhões de palestinianos estão abrigados. Ainda assim, a mídia dos EUA informou na terça-feira que Biden planeja avançar com uma transferência de armas de US$ 1 bilhão para Israel, incluindo projéteis de tanques.

Os defensores dizem que a aparente contradição – entre pressionar Israel a parar a sua ofensiva e depois oferecer mais armamento – faz parte de um padrão mais amplo segundo o qual os EUA dizem uma coisa mas fazem outra.

“Temos uma situação em que a retórica não corresponde à acção”, disse Hassan El-Tayyab, director legislativo para a política do Médio Oriente no grupo de defesa Friends Committee on National Legislation. “É obviamente angustiante ver a cumplicidade dos EUA nestes horríveis crimes de guerra.”

As declarações de Biden uma semana antes sinalizaram a alguns defensores que Washington pode finalmente usar a sua influência para pressionar Israel a pôr fim aos seus abusos contra os palestinianos.

Numa entrevista à CNN, o presidente disse que iria impedir a transferência de bombas de artilharia para Israel no caso de uma invasão de Rafah, e a sua administração acabou por reter um carregamento de bombas pesadas durante o ataque.

Mas os defensores dizem que os relatos dos meios de comunicação sobre a transferência de mil milhões de dólares levantam questões sobre o compromisso de Biden em proteger os civis em Rafah – e em enfrentar Israel, o seu aliado de longa data.

Aqui, a Al Jazeera analisa como a administração Biden apresenta as suas políticas para superar questões jurídicas e políticas sobre o seu apoio incondicional a Israel.

Invasão de Rafah

Alegar: O governo dos EUA diz que Israel não lançou uma grande invasão em Rafah.

“Acreditamos que o que estamos vendo agora é uma operação direcionada. Isso é o que Israel nos disse. Não vimos uma grande operação avançando”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, na quarta-feira.

Facto: A ofensiva israelita em Rafah deslocou até agora 450 mil palestinianos da cidade e prejudicou ainda mais o fluxo de ajuda humanitária para Gaza, aumentando o receio de consequências catastróficas.

Embora as tropas israelitas não tenham entrado no denso centro urbano de Rafah, os tanques israelitas têm penetrado cada vez mais profundamente na cidade. Na semana passada, o Departamento de Estado reconheceu que teoricamente “uma série de operações limitadas” pode constituir “uma grande operação”.

“Não é credível dizer que a ofensiva de Rafah ainda não começou. Pelo que vemos, a invasão de Rafah está acontecendo. E já deveria ter cruzado a linha vermelha”, disse El-Tayyab à Al Jazeera.

Cessar-fogo

Alegar: A administração Biden diz que está a pressionar por um cessar-fogo em Gaza, culpando frequentemente o Hamas por rejeitar propostas para chegar a um acordo para parar os combates.

“Israel colocou sobre a mesa uma proposta inovadora para um cessar-fogo e um acordo de reféns”, disse o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, na terça-feira. “O mundo deveria apelar ao Hamas para que volte à mesa e aceite um acordo.”

Facto: Os EUA vetaram três projetos de resolução de cessar-fogo separados no Conselho de Segurança das Nações Unidas e votaram contra dois na Assembleia Geral.

O Hamas aceitou um acordo apresentado pelo Qatar e pelo Egipto que levaria a um cessar-fogo duradouro e à libertação de prisioneiros israelitas em Gaza e de vários prisioneiros palestinianos em Israel. O governo israelense rejeitou.

“O que precisamos agora é de um cessar-fogo permanente para acabar com estes assassinatos em massa, e precisamos de avançar para uma resolução das questões mais profundas deste conflito horrível”, disse El-Tayyab.

Violações do direito internacional humanitário

Alegar: Os EUA dizem que não podem determinar definitivamente se Israel está a usar armas americanas para violar o direito internacional.

A administração Biden divulgou um relatório na semana passada dizendo que Israel ofereceu garantias “credíveis e confiáveis” de que armas dos EUA não estão sendo utilizadas para cometer abusos.

Facto: Grupos de direitos humanos documentaram inúmeras violações do direito humanitário internacional por parte dos militares israelitas, que utilizam extensivamente armas dos EUA. Esses relatórios incluem provas de bombardeamentos indiscriminados, tortura e ataques a civis.

“Há uma versão da realidade na qual esta administração gostaria que as pessoas acreditassem. E depois há uma versão da realidade que as pessoas têm observado há meses em Gaza, com imagens horríveis do assassinato de civis, da destruição de infra-estruturas civis. , a fome de uma população inteira”, disse o analista palestino-americano Yousef Munayyer à Al Jazeera.

“E essas duas realidades não se alinham de forma alguma. E então, não sei a que público se destina este teatro. Mas não consigo imaginar que isso seja realmente persuasivo para alguém.”

Lei Leahy

Alegar: A administração Biden afirma que aplica os “mesmos padrões” a Israel na aplicação da Lei Leahy, que proíbe a assistência a unidades militares estrangeiras que cometam abusos.

No mês passado, o Departamento de Estado dos EUA disse que não suspenderia a ajuda a nenhum batalhão israelita, apesar de reconhecer que cinco unidades se tinham envolvido em graves violações dos direitos humanos.

Washington disse que quatro dos batalhões tomaram medidas corretivas para lidar com os abusos e que os EUA estão conversando com Israel sobre a quinta unidade.

Facto: Especialistas dizem que os EUA têm um processo especial na aplicação da Lei Leahy a Israel, dando ao país mais tempo e margem de manobra para lidar com alegações de abuso.

“Eles determinaram que a unidade esteve envolvida em violações graves e que o país anfitrião não conseguiu remediar”, disse Raed Jarrar, diretor de defesa da Democracia para o Mundo Árabe Agora (DAWN), à Al Jazeera na semana passada.

“E eles ainda não cortaram essa unidade. Isso é uma admissão de que o secretário de Estado está violando a lei dos EUA.”

Desfinanciamento da UNRWA

Alegar: A administração Biden diz que cortou o financiamento à Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos (UNRWA) para “cumprir a lei”.

A lei em questão é um projecto de lei de financiamento governamental que o Congresso aprovou em Março, proibindo a ajuda à UNRWA.

A agência da ONU presta serviços vitais a milhões de palestinianos em todo o Médio Oriente e tem desempenhado um papel de liderança na prestação de ajuda em Gaza.

Facto: Biden apoiou a legislação de financiamento e sancionou-a. Washington também suspendeu a sua assistência à agência semanas antes da aprovação do projecto de lei, na sequência de alegações israelitas de ligações entre a UNRWA e o Hamas.

No mês passado, uma análise independente da UNRWA, encomendada pela ONU, concluiu que Israel não forneceu provas credíveis para apoiar as suas acusações.

“Nosso processo político optou por cortar o financiamento dos EUA literalmente à única entidade que pode abordar o nível de sofrimento e a escala de sofrimento que está acontecendo em Gaza neste momento”, disse Maya Berry, diretora executiva do Instituto Árabe Americano (AAI), a Al. Jazeera no início deste ano.

Source link

Related Articles

Back to top button