News

Uma olhada nos líderes políticos que enfrentaram ataques armados no passado recente

O acusado de assassinato de Shinzo Abe tinha como alvo o ex-líder, acreditando que ele tinha ligações com a Igreja da Unificação

Washington:

Após o assassinato do primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, a AFP analisa cinco outros líderes políticos em todo o mundo alvo de ataques armados nos últimos anos:

Shinzo Abe: Assassinado

Num drama que provocou ondas de choque num país com baixa criminalidade com armas de fogo, o ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, que renunciou ao cargo em 2020, mas continuou a ser uma voz política importante, fazia campanha para o seu partido no poder quando um homem armado solitário o matou em 8 de julho de 2022.

O assassino acusado de Abe tinha como alvo o ex-líder, acreditando que ele tinha ligações com a Igreja da Unificação, da qual ele se ressentiu devido às enormes doações que sua mãe havia feito à seita.

Jovenel Moise: Assassinado

O presidente haitiano Jovenel Moise foi morto a tiros no meio da noite de 7 de julho de 2021 em sua residência privada em Porto Príncipe por um bando de 28 mercenários.

Sua esposa Martine também foi baleada, mas sobreviveu.

A sua morte mergulhou um Haiti já sem lei e infestado de gangues ainda mais profundamente na turbulência.

A maioria dos seus agressores eram ex-soldados colombianos.

Uma investigação dos EUA revelou que dois homens à frente de uma empresa de segurança de Miami arquitetaram um plano para raptar Moise e substituí-lo por um cidadão haitiano-americano.

Imran Khan: tentativa de assassinato

Em 3 de novembro de 2022, o ex-primeiro-ministro paquistanês e ex-astro do críquete Imran Khan foi atingido por uma rajada de tiros enquanto seu caminhão conversível passava por uma rua movimentada na cidade de Wazirabad, no leste.

Khan, que havia sido deposto do poder no início daquele ano depois de perder o apoio dos militares, fazia campanha por eleições antecipadas.

O governo disse que a tentativa de assassinato foi obra de um lobo solitário, e a polícia divulgou um vídeo de “confissão” do dono da loja de sucata, dizendo que ele agiu porque a manifestação de Khan interrompeu o chamado muçulmano à oração.

Cristina Kirchner: Tentativa de Assassinato

Em 1º de setembro de 2022, um homem tentou atirar à queima-roupa na vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, enquanto ela cumprimentava apoiadores reunidos em frente à sua casa em Buenos Aires – mas a arma não disparou.

Kirchner, um presidente de centro-esquerda de 2007 a 2015, que é uma figura extremamente polarizadora na Argentina, estava na altura a lutar contra acusações de corrupção que tinham dividido amargamente a nação entre apoiantes e opositores do seu movimento peronista.

Seu agressor, um brasileiro que cresceu na Argentina, foi visto nas redes sociais com tatuagens associadas ao simbolismo nazista.

Jair Bolsonaro: Tentativa de Assassinato

Em 6 de setembro de 2018, o candidato presidencial brasileiro de extrema direita, Jair Bolsonaro, foi esfaqueado no abdômen durante a campanha por um agressor que mais tarde foi considerado mentalmente incapaz de ser julgado.

O ex-capitão do exército Bolsonaro, apelidado de “Trump dos Trópicos”, foi submetido a uma cirurgia abdominal após o ataque e venceu as eleições.

Ele cumpriu um único mandato antes de perder a reeleição para o veterano esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Back to top button