Business

FDA aprova medicamento Amgen para forma persistentemente mortal de câncer de pulmão

A Food and Drug Administration aprovou na quinta-feira um novo tratamento inovador para pacientes com uma forma de câncer de pulmão. Deve ser utilizado apenas por pacientes que esgotaram todas as outras opções de tratamento do câncer de pulmão de pequenas células e têm expectativa de vida de quatro a cinco meses.

O medicamento tarlatamab, ou Imdelltra, fabricado pela empresa Amgen, triplicou a expectativa de vida dos pacientes, dando-lhes uma sobrevida média de 14 meses depois de tomarem a droga. Quarenta por cento daqueles que receberam a droga responderam.

Depois de décadas sem avanços reais nos tratamentos para o câncer de pulmão de pequenas células, o tarlatamab oferece a primeira esperança real, disse o Dr. Anish Thomas, especialista em câncer de pulmão do Instituto Nacional do Câncer federal que não esteve envolvido no estudo.

“Sinto que é uma luz depois de muito tempo”, acrescentou.

Timothy Burns, especialista em câncer de pulmão da Universidade de Pittsburgh, disse que o medicamento “mudará a prática”.

(O Dr. Burns não foi um investigador do estudo, mas atuou em um comitê consultivo da Amgen para um medicamento diferente.)

A droga, porém, tem um efeito colateral que pode ser grave – a síndrome de liberação de citocinas. É uma reação exagerada do sistema imunológico que pode resultar em sintomas como erupção na pele, taquicardia e pressão arterial baixa.

Todos os anos, cerca de 35.000 americanos são diagnosticados com cancro do pulmão de pequenas células e enfrentam um prognóstico sombrio. O câncer geralmente já se espalhou para além do pulmão no momento em que é detectado.

O tratamento padrão é a quimioterapia tradicional – inalterada há décadas – combinada com imunoterapias que acrescentam cerca de dois meses à expectativa de vida dos pacientes. Mas, quase inevitavelmente, o cancro resiste ao tratamento.

“Noventa e cinco por cento das vezes ele volta, muitas vezes em questão de meses”, disse o Dr. Burns. E quando volta, acrescentou, os pacientes têm mais dificuldade em tolerar a quimioterapia, e a quimioterapia é ainda menos eficaz.

A maioria dos pacientes vive apenas oito a 13 meses após o diagnóstico, apesar de fazer quimioterapia e imunoterapia. O grupo de pacientes do ensaio clínico já havia feito duas ou até três rodadas de quimioterapia, por isso a expectativa de vida sem o medicamento era tão curta.

O prognóstico sombrio do cancro do pulmão de pequenas células contrasta fortemente com a situação do outro cancro do pulmão de células não pequenas, mais comum, que tem sido um triunfo da revolução nos tratamentos do cancro. Novas terapias direcionadas procuram moléculas que esses cancros precisam para crescer, contendo a sua propagação.

Como resultado, disse Thomas, muitos pacientes com esse tipo de câncer de pulmão vivem tanto que sua doença se torna “quase como uma doença crônica”.

Houve vários motivos pelos quais os pacientes com câncer de pulmão de pequenas células foram deixados para trás.

Um deles é o tipo de mutação genética da qual o câncer depende para crescer.

O Dr. Jay Bradner, diretor científico da Amgen, explicou que outros tipos de câncer são causados ​​por genes aberrantes que são ativados. O tratamento envolve medicamentos para desativar esses genes.

Mas o câncer de pulmão de pequenas células é impulsionado por genes que estão desligados, o que torna difícil atingi-los, explicou o Dr. Bradner. Outra razão é a capacidade do câncer de bloquear as células do sistema imunológico que tentam destruí-lo.

Tarlatamab é um anticorpo desenvolvido para superar esses obstáculos. Tem dois braços, o primeiro dos quais se prende à molécula promotora do crescimento que se ergue como uma bandeira na superfície das células cancerígenas. Serve como etiqueta de identificação do medicamento, permitindo que o tarlatamab encontre as células cancerígenas. O outro braço agarra uma célula T flutuando na corrente sanguínea. A célula T, um glóbulo branco, pode matar cânceres se chegar perto deles.

A droga une as células T e as células cancerígenas, abrindo buracos no câncer ou ativando genes que o fazem se autodestruir.

Os pacientes do ensaio clínico dizem que recuperaram suas vidas.

Martha Warren, 65 anos, de Westerly, RI, descobriu no ano passado que tinha câncer de pulmão de pequenas células. Ela se juntou a grupos do Facebook e viu imediatamente a má notícia: a maioria dos pacientes não vive muito. Sua melhor esperança, ela decidiu, era um ensaio clínico. Após quimioterapia e imunoterapia, com o câncer crescendo rapidamente, ela foi aceita no estudo da Amgen e começou a frequentar Yale para infusões do medicamento.

Quase imediatamente, o câncer dela começou a diminuir – dramaticamente.

“Sinto-me tão normal quanto antes de ter câncer”, disse Warren. “Há muita esperança com este medicamento”, acrescentou ela.

O estudo da Amgen, e a aprovação, porém, envolveram pacientes como Warren, que já haviam passado por algumas rodadas de tratamento. O tarlatamab poderia ajudar mais cedo?

A Amgen está iniciando esse estudo agora, testando o medicamento logo após a quimioterapia inicial.

Source link

Related Articles

Back to top button