News

Por que o Egito apoiou o caso de genocídio da África do Sul contra Israel na CIJ

À medida que Israel devasta Gaza, o Egipto tem, em grande parte, de observar com crescente preocupação os acontecimentos na sua fronteira.

A sua fronteira com o enclave palestiniano tem sido uma rota para a entrada de ajuda e para a saída de pessoas, mas Israel tem a palavra final sobre o acesso à fronteira, mesmo que não tivesse lá uma presença física até à semana passada.

E foi essa medida – enviar tropas israelitas para a passagem fronteiriça de Rafah – que os especialistas acreditam ter cimentado a crença do Egipto de que Israel não está a levar a sério as suas preocupações políticas e de segurança e, em vez disso, as está a “desrespeitar”.

O Egipto tomou agora as suas próprias medidas – em 12 de Maio, o Ministério dos Negócios Estrangeiros egípcio confirmou que o Egipto se tinha juntado ao caso de genocídio do Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) da África do Sul contra Israel.

“A importância desta medida é que está a enviar um sinal de que o Egipto não está satisfeito com o que está a acontecer em Gaza e com a forma como Israel se está a comportar”, disse Nancy Okail, especialista em Egipto e presidente e CEO do Centro de Política Internacional, mesmo tendo minimizado o efeito da decisão do Egipto no veredicto final do TIJ, qualificando-o de “gesto simbólico”.

O Egipto tem ficado cada vez mais alarmado com as operações militares de Israel em Rafah, onde cerca de 1,5 milhões de palestinianos de toda Gaza procuraram refúgio.

A tomada do Corredor Filadélfia, que separa o Egipto de Gaza, é particularmente preocupante para o Cairo; o parlamento egípcio alertou que a presença militar israelense ali era uma violação dos Acordos de Camp David que trouxeram a paz entre o Egito e Israel.

“A forma como Israel agiu na última semana e meia tem sido extremamente preocupante para as autoridades egípcias”, disse Erin A Snyder, uma estudiosa do Egito e ex-professora da Texas A&M University. “Eles têm efetivamente demonstrado desrespeito pelas relações que têm [with Egypt].”

Linhas vermelhas cruzadas?

A possibilidade de o objectivo final de Israel em Gaza ser expulsar a população palestina tem preocupado o Egipto desde o início da guerra, em Outubro.

No início, o Ministério da Inteligência de Israel elaborou um documento que propunha a transferência dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza para a Península do Sinai, no Egipto. Embora o governo israelita tenha minimizado o relatório, os políticos israelitas, incluindo a dupla de extrema-direita formada pelo Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, e pelo Ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, disseram que apoiavam a migração “voluntária” de palestinianos de Gaza.

As repetidas sugestões dispararam sinais de alarme no Egipto, que vê qualquer transferência de milhões de palestinianos para o seu território como uma linha vermelha que não pode ser ultrapassada, e o Presidente Abdel Fattah el-Sisi alertou Israel contra qualquer medida deste tipo.

O presidente egípcio Abdel-Fattah el-Sisi em entrevista coletiva no Cairo, em 25 de outubro de 2023 [Christophe Ena/Pool/AFP]

“O Egito tem soado o alarme sobre as perspectivas desestabilizadoras de uma operação militar israelense em Rafah e sobre qualquer ação militar que possa resultar no suposto plano de reassentamento que emergiu de Israel no outono passado”, disse Hesham Sallam, um estudioso sobre o Egito e o Oriente Médio na Universidade de Stanford.

Aparentemente, Israel tomou medidas para atenuar a preocupação do Egipto, instruindo os palestinianos em Rafah a evacuarem para al-Mawasi, uma zona costeira a oeste de Rafah, longe do Egipto.

Israel afirma que al-Mawasi é uma “zona humanitária segura”, mas grupos de ajuda dizem que dezenas de milhares de pessoas estão amontoadas na área sem acesso a alimentos ou água adequados.

Na última semana, 450 mil pessoas fugiram de Rafah, segundo as Nações Unidas, e quase um milhão permanece.

“Os israelenses pretendem encerrar as coisas em Rafah de uma forma semelhante ao que fizeram em Khan Younis, ou pelo menos eventualmente”, disse HA Hellyer, especialista em geopolítica do Oriente Médio do Carnegie Endowment for International Peace and the Instituto Real de Serviços Unidos.

“Isso é profundamente preocupante para o Cairo porque eles não querem mais escalada ao longo da fronteira.”

Conversas sem saída?

O Egipto acolheu conversações de cessar-fogo entre o Hamas e Israel, desempenhando um papel fundamental na mediação entre os dois lados, juntamente com o Qatar e os Estados Unidos.

Meninos observam fumaça subindo durante ataques israelenses a leste de Rafah
Meninos observam a fumaça subir enquanto Israel ataca o leste de Rafah em 13 de maio de 2024, em meio à guerra contínua de Israel em Gaza [AFP]

No entanto, o Egipto parece frustrado com a recusa de Israel em pôr fim à guerra em troca da libertação dos prisioneiros israelitas detidos em Gaza, de acordo com Timothy Kaldas, especialista em Egipto e vice-director do think tank do Instituto Tahrir para a Política do Médio Oriente.

“Os israelenses não pareciam levar a sério as negociações de cessar-fogo que o Egito estava organizando… e não está claro para ninguém o que levaria Israel a concordar com um cessar-fogo”, disse ele à Al Jazeera.

“O Egito provavelmente está bastante frustrado porque este conflito não tem fim à vista.”

Dois dias antes de Israel invadir o leste de Rafah, o Egito, o Qatar e os EUA pressionaram o Hamas e Israel para assinarem um acordo. O Hamas concordou com uma versão modificada da proposta de cessar-fogo apresentada nas conversações, mas Israel rejeitou-a.

Dias depois, oficiais militares egípcios cancelou uma reunião planejada com homólogos israelenses devido ao seu desacordo sobre a operação Rafah, segundo a imprensa israelense. “Não sabemos sobre o que deveria ser a reunião. Mas certamente este movimento – sobreposto ao [joining the ICJ case] – é uma indicação de que há uma grande frustração com Israel por parte do lado egípcio”, disse Sallam.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, manteve amplas discussões com altos funcionários dos EUA esta semana e procurou baixar a temperatura entre os dois governos.  Gallant, embora não faça parte do círculo íntimo de Netanyahu, é um dos principais arquitetos da campanha contra o Hamas em retaliação ao ataque dos militantes em 7 de outubro, que, segundo Israel, matou 1.200 pessoas.  A resposta militar de Israel matou mais de 32 mil palestinos, segundo as autoridades de saúde do enclave administrado pelo Hamas.  A equipe israelense ainda será liderada pelo ministro de Assuntos Estratégicos, Ron Dermer, e pelo conselheiro de Segurança Nacional, Tzachi Hanegbi, dois dos confidentes mais próximos de Netanyahu, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto.  Espera-se que as negociações se concentrem na ameaça de ofensiva de Israel em Rafah, onde mais de um milhão de palestinos deslocados estão abrigados.  O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, disse na quarta-feira: "Nós fazemos," quando questionado se os EUA acreditam que uma campanha militar limitada em Rafah pode eliminar os comandantes restantes do grupo militante palestino.  A Casa Branca disse na semana passada que pretendia partilhar com as autoridades israelitas alternativas para eliminar os restantes batalhões do Hamas em Rafah sem uma invasão terrestre em grande escala que, segundo Washington, seria uma ameaça. "desastre." A ameaça de tal ofensiva aumentou as diferenças entre aliados próximos, os Estados Unidos e Israel, e levantou questões sobre se os EUA poderiam restringir a ajuda militar se Netanyahu desafiar Biden e prosseguir de qualquer maneira.  Biden, candidato à reeleição em Novembro, enfrenta pressão não só dos aliados dos EUA, mas também de um número crescente de colegas Democratas para controlar a resposta militar israelita em Gaza.  A decisão de Biden de se abster na ONU, ocorrida depois de meses de adesão à política de longa data dos EUA de proteger Israel no organismo mundial, pareceu reflectir a crescente frustração dos EUA com o líder israelita.  Netanyahu emitiu uma repreensão contundente, chamando a medida dos EUA de uma "retirada clara" da sua posição anterior e prejudicaria os esforços de guerra e as negociações de Israel para libertar mais de 130 reféns ainda detidos em Gaza.  Autoridades norte-americanas disseram na época que o governo Biden ficou perplexo com a decisão de Netanyahu e a considerou uma reação exagerada, insistindo que não houve mudança na política.
O primeiro-ministro israelense Netanyahu em Jerusalém em 18 de fevereiro de 2024 [Ronen Zvulun/Reuters]

Outra delegação de funcionários da inteligência israelense teria chegado ao Cairo na quarta-feira para conversações com seus homólogos egípcios sobre Rafah.

Tratado de paz em perigo?

O Egipto tem pouca influência para além da suspensão do seu tratado de paz com Israel, uma medida que os especialistas acreditam ser improvável. Essa medida poderia pôr em risco os 1,6 mil milhões de dólares em assistência militar dos EUA que o Egipto recebe anualmente como parte do acordo de paz.

“Geralmente duvido que haja qualquer risco sério para os Acordos de Camp David”, disse Kaldas. “Os egípcios beneficiam de várias maneiras com a manutenção desse acordo.”

Snyder disse que “tudo é possível”, observando que tudo o que Israel está fazendo em Gaza não tem precedentes. No entanto, ela também não espera que o Egipto suspenda o tratado, uma vez que é fundamental para os interesses regionais dos EUA.

“Sinto que os EUA estão muito preocupados e trabalhando para garantir que [suspending the treaty] isso não acontece”, disse ela à Al Jazeera.

Snyder acrescentou que a decisão do Egipto de se juntar à África do Sul no TIJ também deve ser vista como uma tentativa de pressionar o aliado mais forte e maior fornecedor de armas de Israel a tomar medidas em matéria de segurança regional.

“Não se trata apenas de pressionar Israel. Trata-se também de pressionar os EUA a usarem a sua influência em relação a Israel”, disse ela à Al Jazeera.

Source link

Related Articles

Back to top button