News

Quem se beneficia das tarifas dos EUA sobre as importações chinesas? Especialistas avaliam

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continuou esta semana com a sua última salva – uma medida que surge no meio de uma corrida acalorada pela Casa Branca.

Na terça-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou aumentos de tarifas sobre as importações de vários produtos chineses, no valor de 18 mil milhões de dólares.

As baterias de iões de lítio representam 13 mil milhões de dólares do total das importações, enquanto certos produtos de aço e alumínio, bem como artigos como luvas médicas e seringas, representaram os restantes 5 mil milhões de dólares.

Especialistas dizem que as tarifas sobre estes produtos provavelmente terão efeitos limitados nos preços dos bens de consumo e no crescimento económico. O maior ganho, dizem eles, pode estar nas urnas, enquanto Biden disputa um segundo mandato na Casa Branca.

“Essas tarifas são muito marginais e os impactos na economia serão um erro de arredondamento”, disse Bernard Yaros, economista-chefe dos EUA na Oxford Economics, à Al Jazeera.

Embora as tarifas não mudem muito para a economia dos EUA, ainda é “boa política fazer isto”, especialmente durante um ano eleitoral, acrescentou Yaros.

Projetando força

Os EUA deverão realizar uma votação presidencial em novembro, e Biden deverá enfrentar seu antecessor, o ex-presidente republicano Donald Trump, em uma disputa acirrada.

Há muito que Trump procura projectar uma imagem de homem durão, especialmente na política externa e na economia, ao mesmo tempo que enquadra o seu rival democrata como “fraco”. Biden, no entanto, procurou desviar essas críticas impondo políticas que, em alguns casos, se baseiam nas de Trump.

Um jornal de janeiro (PDF) do National Bureau of Economic Research sugere que as tarifas podem pagar dividendos políticos, mesmo que não se traduzam em “ganhos substanciais de emprego”.

O jornal analisou o período de 2018 a 2019, quando Trump impôs duras tarifas à China e a outros países, visando produtos como alumínio, máquinas de lavar e painéis solares.

Descobriu-se que os residentes nas regiões dos EUA mais expostas às tarifas de importação tornaram-se menos propensos a identificar-se como democratas e mais propensos a votar nos republicanos.

O relatório concluiu que os eleitores “responderam favoravelmente” às tarifas “apesar do seu custo económico”, que veio na forma de tarifas retaliatórias da China.

“As tarifas são uma boa política, embora a economia não funcione”, disse Yaros.

Apelando ao Cinturão da Ferrugem

Biden e Trump estão em uma disputa acirrada, com algumas pesquisas mostrando o candidato republicano superando o titular nos principais estados indecisos.

Uma pesquisa esta semana descobriu que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, tinha uma vantagem em alguns estados importantes sobre o presidente Biden [File: Brendan McDermid and Elizabeth Frantz/Reuters]

Uma sondagem esta semana do New York Times, do Siena College e do Philadelphia Inquirer, por exemplo, concluiu que Trump tinha uma vantagem em estados cruciais como o Arizona, o Nevada e a Geórgia.

Biden apareceu num desses estados, a Pensilvânia, no mês passado para anunciar a sua intenção de triplicar as tarifas sobre o aço chinês. A Pensilvânia faz parte do Cinturão da Ferrugem, uma região historicamente conhecida pela manufatura, e o próprio estado é famoso pela produção de aço.

Brad Setser, membro sênior do Conselho de Relações Exteriores, disse que Biden também procurou proteger outras indústrias dos EUA, como o crescente setor de veículos elétricos (VE).

As suas novas regras comerciais garantirão que os EUA não possam importar diretamente veículos elétricos fabricados na China, explicou Setser.

Ele acrescentou que a China construiu uma indústria competitiva de veículos elétricos com base em profundos subsídios governamentais e poderia inundar os mercados globais e dos EUA com carros baratos se não fossem tais medidas.

“A China, com as suas necessidades significativas no sector automóvel, forneceu muitos subsídios à sua indústria de veículos eléctricos, o que levou a esta força”, disse Setser.

“É preciso reconhecer que os EUA e a Europa utilizarão algumas destas técnicas [of subsidies and tariffs] para construir suas próprias indústrias. Não é realista que a China se oponha a que outros países façam a mesma coisa.”

Proteger a indústria automobilística americana também ajudará Biden nas pesquisas. O setor está historicamente centrado em Michigan, outro estado-chave onde Biden enfrentou recentemente reações adversas.

Michigan é o berço do movimento “descomprometido”, que encorajou os democratas a negarem seus votos a Biden durante as primárias e, em vez disso, votarem na opção “descomprometida”.

O protesto foi visto como parte de uma reação mais ampla e progressista ao apoio inabalável de Biden à guerra de Israel em Gaza.

Olhando para novembro

No entanto, os especialistas que falaram com a Al Jazeera questionaram se as tarifas recém-anunciadas de Biden iriam mudar o rumo das eleições.

Os EUA importaram 427 mil milhões de dólares em bens da China em 2023, mas em troca exportaram apenas 148 mil milhões de dólares para o país, de acordo com o Gabinete do Censo dos EUA.

Essa lacuna comercial persiste há décadas e tornou-se um assunto cada vez mais sensível em Washington, especialmente porque a China compete com os EUA para ser a maior economia do mundo.

Embora o comércio transpacífico tenha beneficiado ambos os países – fornecendo produtos baratos aos consumidores americanos e um grande mercado aos fabricantes chineses – continua a ser uma questão controversa, especialmente em época de eleições, devido a um historial de transferência de empregos industriais nos EUA para o estrangeiro.

Os políticos dos EUA também levantaram preocupações sobre a privacidade, à medida que a tecnologia chinesa entra no mercado norte-americano.

Embora a China tenha prometido retaliação pela última ronda de tarifas, os especialistas dizem que será provavelmente simbólica, uma vez que as próprias tarifas dos EUA são muito visadas.

“Não presumimos que a retaliação seja perturbadora”, disse Yaros. “Eles não vão aumentar a aposta. Esse não foi o MO deles [modus operandi] no passado, quando os EUA impuseram tarifas.”

Source link

Related Articles

Back to top button