News

Número de mortos sobe para seis em tumultos na Nova Caledônia à medida que a agitação se espalha

Centenas de fuzileiros navais e policiais fortemente armados patrulham a capital do território francês, Noumea, após uma noite de violência.

Mais uma pessoa foi morta no território francês das ilhas do Pacífico, na Nova Caledônia, enquanto o pessoal de segurança tentava restaurar a ordem, elevando para seis o número de mortos de quase uma semana de distúrbios e saques.

As forças de segurança francesas relataram a sexta morte no sábado, após confrontos armados sobre o plano da França de impor novas regras de voto que poderiam dar a dezenas de milhares de residentes não indígenas o direito de voto.

O território está “num caminho destrutivo”, alertou no sábado o ministro local Vaimu'a Muliava, dizendo aos envolvidos “vocês estão apenas se punindo”.

A pessoa foi morta numa troca de tiros numa barricada em Kaala-Gomen, no norte da ilha principal, disse um oficial de segurança, enquanto duas pessoas ficaram gravemente feridas.

O Le Monde e outros meios de comunicação franceses disseram que a pessoa morta era um homem e que seu filho estava entre os feridos.

Dois policiais estavam entre os que morreram no início desta semana nos distúrbios que levaram o governo de Paris a impor o estado de emergência ao arquipélago e a apressar reforços para os serviços de segurança. Outras três pessoas – todas indígenas Kanaks – também foram mortas.

A raiva entre o povo indígena Kanak fervilha há semanas devido aos planos de alterar a constituição francesa para permitir que pessoas que vivem na Nova Caledónia há 10 anos votem nas eleições provinciais do território, diluindo um acordo de 1998 que limitava os direitos de voto.

Centenas de fuzileiros navais e policiais franceses fortemente armados patrulharam no sábado a capital, Noumea, onde as ruas estavam cheias de escombros.

Veículos e edifícios foram queimados no bairro Magenta da cidade, informou a agência de notícias AFP, enquanto os moradores relataram ter ouvido tiros, o zumbido de helicópteros e “explosões massivas” durante a noite.

A violência deixou cerca de 3.200 turistas e outros viajantes retidos dentro ou fora do arquipélago devido ao encerramento do aeroporto internacional de Noumea.

As autoridades francesas acusaram um grupo pró-independência conhecido como CCAT de estar por trás dos protestos. Dez activistas acusados ​​de organizar a violência foram colocados em prisão domiciliária, segundo as autoridades.

O CCAT apelou na sexta-feira a “um momento de calma para quebrar a espiral de violência”.

A Nova Caledônia é território francês desde a colonização no final do século XIX. Séculos depois, a política continua dominada pelo debate sobre se as ilhas deveriam fazer parte de França, ser autónomas ou independentes – com opiniões divididas aproximadamente em termos étnicos.

A França também acusou a antiga república soviética do Azerbaijão de interferência no território. O Azerbaijão, que tradicionalmente tem pouca presença na Ásia-Pacífico e fica a quase 14.000 km (8.700 milhas) de distância da Nova Caledónia, negou as acusações.

Source link

Related Articles

Back to top button