News

“Perigo por trás da beleza”: mais tempestades solares podem estar vindo em nossa direção

“Precisamos entender que por trás dessa beleza existe perigo.”

Paris:

Os turistas normalmente têm que pagar muito dinheiro e enfrentar climas frios para ter a chance de ver uma aurora, mas no fim de semana passado muitas pessoas ao redor do mundo simplesmente tiveram que olhar para cima para ver essas exibições coloridas dançando no céu.

Normalmente banidas para os pólos da Terra, as auroras chegaram ao México, sul da Europa e África do Sul na noite de 10 de maio, deliciando os observadores do céu e enchendo as redes sociais com imagens de rosas, verdes e roxos exuberantes.

Mas para aqueles encarregados de proteger a Terra de poderosas tempestades solares, como a que causou as auroras, uma ameaça espreita sob as cores deslumbrantes.

“Precisamos compreender que por trás desta beleza existe perigo”, disse à AFP Quentin Verspieren, coordenador do programa de segurança espacial da Agência Espacial Europeia.

Mike Bettwy, do Centro de Previsão do Clima Espacial dos EUA, disse que “estamos focados nos impactos potenciais mais sinistros” das tempestades solares, como a destruição de redes de energia e satélites, ou a exposição de astronautas a níveis perigosos de radiação.

As últimas auroras foram causadas pela tempestade geomagnética mais poderosa desde as “Tempestades de Halloween” de Outubro de 2003, que provocaram apagões na Suécia e danificaram infra-estruturas energéticas na África do Sul.

Parece ter havido menos danos causados ​​pelas últimas tempestades solares, embora muitas vezes leve semanas para que as empresas de satélite revelem problemas, disse Bettwy.

Houve relatos de que alguns tratores agrícolas autônomos nos Estados Unidos pararam quando seus sistemas de orientação GPS falharam devido à tempestade, disse ele à AFP.

– 'Definitivamente não acabou' –

Esses estranhos efeitos são causados ​​por explosões massivas na superfície do Sol que emitem plasma, radiação e até campos magnéticos a velocidades incrivelmente rápidas nascidas do vento solar.

A atividade recente veio de um aglomerado de manchas solares 17 vezes o tamanho da Terra, que continuou a crescer ao longo da semana. Na terça-feira, ocorreu a explosão solar mais forte vista em anos.

A mancha solar tem-se voltado para a borda do disco solar, pelo que se espera que a actividade diminua a curto prazo, à medida que as suas explosões se afastam do nosso planeta.

Mas em cerca de duas semanas a mancha solar voltará a girar, voltando novamente o seu olhar para a Terra.

Entretanto, outra mancha solar está “a aparecer neste momento”, o que poderá desencadear “uma grande actividade nos próximos dias”, disse à AFP o coordenador do serviço meteorológico espacial da ESA, Alexi Glover.

Portanto, a atividade solar “definitivamente ainda não acabou”, acrescentou ela.

É difícil prever quão violentas estas manchas solares poderão ser – ou se poderão provocar novas auroras.

Mas a actividade solar está apenas a aproximar-se do pico do seu ciclo de aproximadamente 11 anos, pelo que as probabilidades de outra grande tempestade são maiores “entre agora e o final do próximo ano”, disse Bettwy.

– Que ameaça representam as tempestades solares? –

Tempestades geomagnéticas como a recente criam uma carga magnética de tensão e corrente, “essencialmente sobrecarregando” coisas como satélites e redes elétricas, de acordo com Bettwy.

O exemplo mais famoso ocorreu em 1859, durante a pior tempestade solar registrada na história, chamada Evento Carrington.

Além de auroras deslumbrantes, a tempestade fez com que faíscas voassem das estações telegráficas. A carga originada do Sol era tão forte que alguns telégrafos funcionavam sem estarem conectados a uma fonte de energia.

Então, o que aconteceria se uma tempestade geomagnética tão poderosa atingisse a Terra novamente?

Bettwy disse que a maioria dos países melhorou as suas redes eléctricas, o que deverá evitar interrupções prolongadas como as que atingiram a Suécia em 2003 ou o Canadá em 1989.

Mesmo assim, ele sugeriu que as pessoas tenham um kit de emergência para o caso de falta de energia por um ou dois dias. A água doce também pode ajudar caso as instalações de filtração fiquem offline.

Os astronautas correm particularmente risco de radiação durante atividade solar extrema. Aqueles que estão na Estação Espacial Internacional geralmente procuram o melhor abrigo possível quando uma forte tempestade é esperada.

Bettwy disse que uma enorme tempestade solar poderia expor os astronautas a uma “dose prejudicial à saúde” de radiação, mas não achava que seria letal.

Enfatizando que não queria “instilar medo”, Bettwy acrescentou que a radiação também pode potencialmente “passar pela fuselagem” de aviões que voam perto do pólo norte.

As companhias aéreas às vezes mudam de rota durante tempestades solares extremas para evitar que isso aconteça, acrescentou.

Espera-se que várias missões futuras melhorem a previsão do clima intenso e imprevisível do Sol, com o objetivo de dar à Terra mais tempo para se preparar.

Se a missão Vigil da ESA, planeada para ser lançada em 2031, estivesse em funcionamento hoje, daria-nos muito mais informações sobre a mancha solar atualmente em rotação, disse Glover.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Back to top button