News

Netanyahu diz que ataques aéreos de Rafah foram “acidente trágico” e promete derrotar o Hamas

Jerusalém:

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse na segunda-feira que um ataque mortal que atingiu um campo de deslocados em Rafah, em Gaza, foi um “acidente trágico” que seu governo estava investigando.

“Em Rafah, evacuámos um milhão de residentes não envolvidos e, apesar dos nossos melhores esforços, um trágico acidente aconteceu ontem”, disse Netanyahu ao parlamento.

Ele acrescentou que “estamos investigando o caso e tiraremos as conclusões” depois que o ministério da saúde de Gaza relatou 45 mortos quando o ataque na noite de domingo provocou um incêndio que destruiu uma cidade de tendas para moradores de Gaza deslocados.

O ministério da Faixa de Gaza controlada pelo Hamas também disse que 249 pessoas ficaram feridas.

Israel enfrentou uma onda de condenação internacional na segunda-feira pelo ataque de Rafah, inclusive de toda a região, bem como da União Europeia, da França e das Nações Unidas.

Os militares israelenses disseram ter lançado uma investigação sobre o ataque que, segundo eles, foi realizado com base em “informações precisas de inteligência” sobre dois militantes do Hamas que, segundo eles, foram mortos.

Também disse que “o ataque não ocorreu na área humanitária em Al-Mawasi, para onde as IDF (exército) encorajou os civis a evacuarem” desde o início da operação terrestre em Rafah.

Netanyahu adotou um tom desafiador em seu discurso no Knesset enquanto era questionado por parentes de reféns mantidos em Gaza, e prometeu continuar a batalha para destruir o Hamas.

“Não há substituto para a vitória absoluta” em Gaza, disse ele à Câmara.

Netanyahu denunciou a pressão, tanto interna como externa, que disse que o seu governo tem enfrentado desde o início da guerra em Gaza.

“Eles pressionaram-nos então”, disse Netanyahu, antes de listar os apelos para que se abstenha de operações militares que Israel realizou de qualquer maneira.

“Não entrem em Gaza. Nós entramos! Não entrem em Shifa! Entramos! Não entrem em Khan Yunis! Entramos! Não entrem em Rafah! Entramos!” ele disse.

“Eu não desisto e não vou desistir! Enfrento as pressões internas e externas.”

A guerra em Gaza eclodiu depois do ataque do Hamas ao sul de Israel, em 7 de outubro, que resultou na morte de mais de 1.170 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

A ofensiva retaliatória de Israel matou pelo menos 36.050 pessoas em Gaza, a maioria civis, segundo o ministério da saúde do território.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Back to top button